Guarda costeira assume “catastrófica implosão” do Titan e morte dos passageiros

Titan, OceanGate Expeditions|| Crédito: Divulgação/Ocean Gate

Destroços encontrados são confirmados como sendo do submersível que desapereceu no Atlântico na exploração do naufrágio do Titanic

Não houve um milagre, e os destroços encontrados pela guarda costeira dos Estados Unidos foram confirmados na tarde de quinta (22) como sendo do submersível Titan, utilizado para exploração turística das ruínas do Titanic.

John Mauger, porta-voz da instituição, disse que a nave sofreu uma “catastrófica implosão” que levou às mortes de todos os passageiros.

Foram encontrados cinco grandes pedaços diferentes do submersível, uma evidência da grandeza do acidente. Mais tarde um segundo grupo de vestígios, menor, foi encontrado.

A empresa responsável pela exploração submarina, a Oceangate, havia no começo do dia divulgado nota sugerindo que os passageiros haviam morrido. “Esses homens eram verdadeiros exploradores que compartilhavam um espírito de aventura e uma profunda paixão por explorar e proteger os oceanos do mundo”, disseram.

Estavam no Titan o britânico Hamish Harding, fundador de uma companhia de aviação; Shahzada e Sulman Dawood, pai e filho de uma família milionária do Paquistão; Paul-Henry Nargeolet, ex-comandante da Marinha francesa e especialista no Titanic, além do CEO da OceanGate e piloto do Titan, Stockton Rush.