No afã de atacar regime iraniano, Justin Trudeau produz fake news

Justin Trudeau || Crédito: © European Union – European Parliament

Primeiro-ministro canadense “denuncia”, em nome de seu país, “15 mil sentenças de pena de morte”, em clara confusão numérica; manifestantes revoltam-se contra morte de iraniana por expor levemente cabelos

No afã de condenar o brutal regime iraniano, o primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, publicou desinformação que poderia gerar um conflito internacional.

Na segunda (14), Trudeau postou no Twitter, conforme publicou a CNN gringa, comentário de que a teocracia iraniana havia condenado 15 mil nacionais à pena de morte.

Escreveu o jovem primeiro-ministro: “Canadá denuncia a brutal decisão do regime iraniano de impor pena de mote para aproximadamente 15 mil manifestantes”.

O post foi compartilhado mais de 6 mil vezes e ficou 12 horas no ar, até ser apagado. O erro de Trudeau pode ter sido cometido, especula a CNN, por certa confusão em relação à estimativa de iranianos presos – 14 mil –, informada por representante das Nações Unidas no Irã, em razão de manifestações contra os rigores dos códigos de comportamento público.

Cinco pessoas foram executadas pelo regime iraniano por participarem dessas manifestações, segundo a mídia estatal do país.

As regras draconianas de comportamento incluem, para as mulheres, a necessidade de ocultar completamente os cabelos.

E foi por supostamente ter deixado uma área microscópica de cabelos à mostra que a jovem iraniana Mahsa Amini foi detida por agentes da chamada Polícia da Moralidade. Os maus tratos que Mahsa sofreu sob custódia dos policiais levaram-na depois à morte.

O regime iraniano não se manifestou em relação à incontinência de Trudeau.