Edifício residencial mais alto do mundo fica em Manhattan e já começa a ser habitado

Central Park Tower se destaca no Billionaires Row

Localizado no extremo sul do Central Park, o Central Park Tower faz parte do grupo de arranha-céus ultraluxuosos do chamado Billionaires' Row

Já ouviu falar no Billionaires’ Row? Aquele grupo de arranha-céus ultraluxuosos, construídos ou em desenvolvimento, localizado no extremo sul do Central Park e que já se destaca no skyline de Manhattan. Apelidados de pencil towers, por serem estreitos e muito altos, os edifícios podem chegar a 470 metros de altura. É o caso do Central Park Tower, que acaba de ser lançado. Com seus 131 andares, o prédio projetado pelo Adrian Smith + Gordon Gill Architectures é o residencial mais alto do mundo. Pelo menos por enquaanto. A torre de vidro angular, semelhante a um bloco de gelo, fica na West 57th Street, debruçada sobre o parque e, dos andares mais altos, é possível avistar toda a ilha.

Os apartamentos, muitos já ocupados, foram projetados pelo Rottet Studio em estilo minimal chique. Envidraçados de ponta a ponta, custam a partir de US $ 6,5 milhões, variando de acordo com o tamanho – de um a quatro dormitórios. Entre os luxos oferecidos aos condôminos, o destaque vai para um clube exclusivo, que ocupa três andares e vem recheado mimos, incluindo uma sala de jantar e cozinha com chefs com estrela Michelin, lounge, sala de projeção e salão de baile privado.

A estrutura também oferece terraço ao ar livre com piscina de 18 metros, bar e serviço de garçom para cada espreguiçadeira, e um centro de saúde e bem-estar no 16º andar com academia, quadra de basquete e sauna.

“As texturas, paleta de cores e materiais foram escolhidas para garantir um resultado mais suave, sustentável e sofisticada”, explica o arquiteto Gordon Gill.  Também existem elementos públicos no empreendimento. O térreo terá vários comércios, entre eles,  uma loja de departamentos Nordstrom de sete andares.