Rússia está enfrentando desafios para acompanhar o ritmo das importações chinesas

Xi Jinping e Vladimir Putin || Crédito: CC/WikiCommons/ Kremlin.ru

O comércio bilateral deverá ultrapassar os 200 bilhões de dólares este ano

Na quinta-feira, a Bloomberg informou que contêineres carregados de produtos chineses estão se acumulando nos depósitos ferroviários russos, indicando um aumento no comércio entre os dois países. Segundo a agência, cerca de 150 mil contêineres adicionais estão empilhados devido ao fato de a China estar enviando uma quantidade tão grande de mercadorias que a Rússia não consegue gerenciar o excesso de caixas de transporte. Esta informação foi baseada em uma análise feita pela Container xChange, uma plataforma comercial sediada em Hamburgo, Alemanha.

No relatório, Christian Roeloffs, cofundador e CEO da Container xChange, observou que há um “significativo movimento de carga da China para a Rússia, mas um retorno muito limitado da Rússia para a China”. Ele enfatizou que esse desequilíbrio tem um “impacto extremamente prejudicial no negócio de logística de contêineres”.

Os três maiores portos de contêineres na Rússia estão localizados em São Petersburgo, no Mar Báltico, Novorossiysk, no Mar Negro, e Vladivostok, na costa do Pacífico. Recentemente, o Instituto Kiel para a Economia Mundial da Alemanha divulgou dados que indicam que o volume de mercadorias descarregadas nesses portos está se aproximando dos níveis observados no início do conflito na Ucrânia em fevereiro de 2022, algo que não acontecia desde o ano passado.

Apesar das sanções ocidentais que interromperam as antigas conexões comerciais da Rússia e desestabilizaram as cadeias de abastecimento tradicionais, o fluxo de contêineres continua a aumentar, levando Moscou a buscar novos mercados. Paralelamente, uma das principais empresas de logística russas, o Fesco Transport Group, firmou acordos com o Jilin Northeast Asia Railway Group e a União de Empresários Chineses. A Fesco declarou em um comunicado de imprensa que as partes planejam monitorar as rotas existentes de transporte de contêineres entre a Rússia e a China e expandir conjuntamente o conjunto de potenciais transportadores na direção China-Rússia-China.

De acordo com dados alfandegários chineses, o comércio entre a China e a Rússia aumentou 37% nos primeiros sete meses de 2023, totalizando 134,1 bilhões de dólares. As exportações da China para a Rússia aumentaram 73%, alcançando aproximadamente 62,54 bilhões de dólares, enquanto as importações da Rússia cresceram 15%, atingindo 71,6 bilhões de dólares. O governo russo tem expectativas de que o volume de comércio com a China ultrapasse os 200 bilhões de dólares este ano, superando o recorde anterior de 190 bilhões de dólares alcançado em 2022