Prosseguem as buscas pelo submarino que levava turistas para ver destroços do Titanic

Titan, OceanGate Expeditions|| Crédito: Divulgação/Ocean Gate

Com cinco pessoas a bordo, embarcação desapareceu nesta segunda-feira (19) e tem oxigênio para mais três dias. Um dos passageiros é o bilionário britânico Hamish Harding, conhecido por suas aventuras exploratórias mundo afora

O submarino Titan, que levava turistas interessados em ver de perto os destroços do Titanic, desapareceu na manhã desta segunda-feira (19). O incidente deflagrou uma grande operação de busca e resgate que envolve a Guarda Costeira americana e canadense e ainda está em curso. As buscas estão sendo feitas a cerca de 600 km da costa de Newfoundland, no Canadá, onde o Titanic naufragou, em 1912. Os destroços do navio se encontram a cerca de 4 km de profundidade.

A embarcação, que pertence à OceanGate Expeditions, tem capacidade para levar cinco pessoas e conta com oxigênio suficiente para quatro dias. A bordo estão três turistas, que pagaram US$ 250 mil cada um pelo passeio, e dois tripulantes.

O bilionário britânico Hamish Harding (foto abaixo), chairman da empresa de aviação executiva Action Aviation, é um dos passageiros. Ele detém três recordes no Guiness Book devido as suas aventuras exploratórias pelo mundo. No último domingo (18), Harding comentou iria participar da quinta missão do Titan e que a região onde seria feito o mergulho está enfrentando o pior inverno dos últimos 40 anos – e que essa expedição, provavelmente, seria a última de 2023. Segundo ele, uma janela meteorológica permitiu a realização do mergulho, e que os planos eram começar a operação às 4h da manhã desta segunda-feira (19).

Hamish Harding || Crédito: Reprodução/Facebook

Mais de um século de fascínio
Com 260 metros de comprimento e 46 toneladas, o RMS Titanic foi considerado o maior navio de passageiros do início do século 19. Naufragou em sua viagem inaugural, matando mais de 1.500 mil pessoas das 2.200 que havia a bordo.

O navio, zarpou de Southampton, na Inglaterra, no dia 10 de abril de 1912, rumo a Nova York, nos EUA. A colisão com um iceberg provocou o naufrágio, que ocorreu na madrugada de 15 de abril.

Os destroços da embarcação, que se partiu em duas partes, foram descobertos em 1985 e, de lá para cá, o local onde se encontram tem sido vastamente explorado. Mês passado, imagens digitalizadas em tamanho real e em 3D mostraram os destroços do Titanic com uma riqueza de detalhes até então nunca vista.