Romeu Zema troca bolsonarismo estrito por pragmatismo e fala em apoio a possíveis reformas de Lula

Romeu Zema e Lula || Crédito: Isac Nóbrega/PR/Pedro Gontijo/Senado Federal

Em entrevista, governador reeleito de Minas Gerais elogia “números” de Bolsonaro, mas modera novo discurso com a premissa da “oposição responsável”

Arautos do bolsonarismo até algumas horas atrás estão abandonando seus “tchacos” ideológicos e dando sinais de que podem apoiar propostas do futuro governo Lula. O governador reeleito de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), disse, em entrevista ao site Poder 360, que “se o presidente eleito propor uma boa reforma tributária, uma boa reforma administrativa, eu vou lá para Brasília apoiá-lo na mesma hora”.

“O Brasil precisa é de reforma e não ficar na mesmice como tem acontecido década após década.”

Mesmo assim, Zema voltou a criticar seu antecessor, o ex-governador petista de Minas Gerais, Fernando Pimentel, e falou que a gestão Bolsonaro apresentou “alguns números espetaculares”, falando em “criação de emprego”, “queda de homicídios”, “lucro de empresas estatais” e repetiu sua hipótese de que o presidente foi o “seu maior adversário” ao se “comunicar mal”, especialmente  durante a pandemia..

Zema disse que fará “oposição responsável” e crê numa gestão responsável e “republicana” de Lula.