Performance segura em debate de Tarcísio é ofuscada por correligionário bolsonarista

Tarcísio Gomes de Freitas e Douglas Garcia || Crédito: Alan santos/PR/Alesp

Deputado estadual Douglas Garcia constrange jornalista e de quebra candidato ao governo de São Paulo; base radical se incomoda com justificativa de ex-ministro

A atuação convincente do ex-ministro da Infaestrutura de Bolsonaro, Tarcísio Gomes de Freitas, o Tarcisão, no debate desta terça (13) entre candidatos ao governo paulista pode ter sido prejudicada pelo affaire Douglas Garcia. O deputado estadual e agora candidato a federal pelo Republicanos, mesmo partido de Tarcisão, constrangeu na plateia do evento a jornalista Vera Magalhães, chamando-a de “vergonha para o jornalismo”, repetindo agressão feita por Jair Bolsonaro contra a profissional em debate presidencial.

Tarcísio desculpou-se publicamente pelo incidente provocado pelo correligionário. Em justificativa equilibrada no Twitter, disse que a atitude do parlamentar é “incompatível com a democracia e não condiz com o que defendemos em relação ao trabalho da imprensa”.

O problema é que, ao fazer isso, o candidato a governador angariou descontentamento de sua base mais radical, de que tenta se descolar, pero no mucho. Comentários sobre sua postagem tinham de tudo: de simpatizantes de Lula e Haddad dizendo que tratavam-se de “palavras ao vento” a bolsonaristas escamando: “Apaga isso Tarcisio e defenda o Douglas (…) Você tava indo tão bem e agora mais uma bola fora”, tascou um seguidor.

Os principais contendores de Tarcisão no pleito manifestaram solidariedade a Vera. Fernando Haddad (PT) escreveu que “deputado que agride ou assedia jornalista deve ser cassado por falta de decoro”. Rodrigo Garcia (PSDB) procurou expressar perplexidade ao dizer que “é estarrecedor o ódio que essa gente que atacou a Vera Magalhães sente das mulheres. O método se repete há anos. São traumas muito mal resolvidos.”

Pior dos mundos para Tarcísio: a repercussão do debate parece agora apenas se concentrar na performance “extra campo” de Garcia.