JUSTIÇA E SENSIBILIDADE

Izabella Borges || Crédito: Paulo Freitas

À frente de casos complexos e midiáticos, a advogada criminalista Izabella Borges inaugura escritório butique no Jardim América e propõe um novo olhar para o Direito

“Sempre fui apaixonada pela natureza humana.” É dessa forma que a advogada criminalista IZABELLA BORGES abre a conversa com PODER para falar sobre o caminho que percorreu na advocacia – e fora dela – para se tornar especialista em casos de violência doméstica e familiar.

A carreira teve início em um escritório butique em que atuava prioritariamente em crimes financeiros. Ao abrir seu escritório, em 2016, a expertise em direito penal econômico a levou para casos de fraudes patrimoniais que ocorriam no âmbito familiar. “Atuar como advogada criminal é lidar com pessoas nos piores momentos de suas vidas.

É preciso humanizar o atendimento”, conta ela que passou a estudar psicologia e psicanálise para atender melhor os clientes – em sua maioria mulheres – vítimas de violência física, psicológica e financeira. “Assim formamos o primeiro escritório butique de São Paulo especializado em violência doméstica e familiar, com metodologia interdisciplinar de trabalho e ênfase no acolhimento de cada cliente”, explica a advogada que trabalha com equipe multidisciplinar e está obtendo decisões favoráveis ao trazer teses inovadoras para os tribunais.

Com isso, esteve à frente de casos complexos e midiáticos, como da apresentadora Luisa Mell e da atriz Duda Reis. Inclusive com Duda, a parceria extrapolou as cortes e a dupla hoje é responsável pelo Instituto Survivor, que apoia mulheres em situação de violência doméstica. “Sempre quis desenvolver um trabalho social para mulheres em situação de vulnerabilidade. No escritório fazemos atendimento pro bono, mas não conseguíamos atender toda a demanda”, explica Izabella, que está em fase de expansão, com a inauguração do novo escritório no Jardim América em agosto.