Revista Poder

AS BELEZAS ESCONDIDAS DA SICÍLIA

Fotos Gabriela Figueiredo
Texto João Carrascosa

 

 

O subsolo da ilha de Favignana é um labirinto de galerias artificiais, resultado de séculos de exploração de rocha calcária. Tentar percorrê-lo é uma aventura perigosa. Mas a luz no fim do túnel é o azul profundo do Mediterrâneo

 

 

A Cala Rossa, em Favignana, já foi palco de batalhas homéricas e, hoje, é a praia preferida dos turistas que chegam de barco ou a pé pelas encostas de pedra;. Durante séculos, as ilhas Egadi viveram da pesca do atum e ainda são encontrados velhos pescadores que chegaram a participar da “mattanza”, técnica ancestral de captura desse peixe, que envolvia cantos rituais e muita força física. Hoje, os remos aposentados no museu da Tonnara di Favignana (abaixo) atestam o fim de uma era: o arquipélago foi transformado em reserva natural marinha em 1991. Na outra página: detalhes do cotidiano simples da ilha de Levanzo.

 

Sair da versão mobile