Revista Poder

Expectativas de acordo entre EUA e Venezuela impulsionam flutuações de preços e aumentam volatilidade do mercado

Crédito: CC/Unsplash

O mercado de petróleo global está atentamente observando os recentes desenvolvimentos relacionados à Venezuela, com especulações de que um acordo entre os Estados Unidos e o país sul-americano poderia ter um impacto significativo nas cotações da commodity. As notícias recentes geraram flutuações nos preços do petróleo, enquanto os investidores ponderam o possível alívio das sanções norte-americanas contra a indústria petrolífera venezuelana.

Na segunda-feira (16), os preços do petróleo experimentaram uma volatilidade notável. Os futuros do petróleo dos EUA foram negociados a US$ 85,51 (R$ 440,12) por barril, um aumento de 0,29%, enquanto o contrato do Brent subiu 0,41%, atingindo US$ 90,02 (R$ 455,30) por barril. No entanto, essa recuperação veio depois de uma queda de cerca de US$ 1 por barril na sessão anterior.

As notícias que influenciaram essa oscilação nos preços foram os relatos de que os governos dos EUA e da Venezuela chegaram a um acordo preliminar. Esse acordo prevê a redução das sanções norte-americanas em troca de um compromisso do governo de Nicolás Maduro de permitir uma eleição presidencial competitiva e monitorada em 2024, conforme noticiado pelo Washington Post.

A perspectiva de um alívio nas sanções teve um efeito imediato nos preços do petróleo. Os investidores começaram a ponderar as implicações dessa possível retomada da produção de petróleo na Venezuela. Isso levou a uma pressão de baixa nas cotações, uma vez que uma maior oferta global poderia resultar de tal acordo.

É importante destacar, entretanto, que uma flexibilização das sanções não teria um impacto imediato no mercado global de petróleo. A indústria petrolífera venezuelana enfrenta desafios significativos, incluindo anos de desinvestimento e infraestrutura obsoleta. Recuperar e expandir a produção de petróleo para os níveis anteriores requereria investimentos substanciais e tempo.

Além disso, o mercado de petróleo permanece sensível a outros fatores, como a escalada das tensões no Oriente Médio. O conflito entre Israel e o grupo Hamas na Faixa de Gaza é um exemplo recente de eventos que podem aumentar a volatilidade dos preços do petróleo, uma vez que essa região é fundamental para o fornecimento global de petróleo.

Outro ponto relevante é a recente queda na produção bruta global de petróleo, que atingiu o nível mais baixo em 22 meses. Isso se deve principalmente a reduções na produção de importantes players do mercado, como a Arábia Saudita, os Estados Unidos e a Noruega. No entanto, a demanda global por petróleo tem demonstrado sinais de recuperação, com um recorde sazonal em agosto, apoiado por países como China, Indonésia, Estados Unidos e Arábia Saudita.

Sair da versão mobile