Revista Poder

Aumento das falências na França

Crédito: Pixabay

Por Mário Kaneski

A França está atualmente experimentando um crescimento econômico acima das previsões, com um aumento de 0,5% em seu PIB no segundo trimestre. No entanto, o número de falências de empresas voltou aos níveis pré-pandêmicos, atingindo um recorde desde 2016, com um aumento de 35% em relação ao ano anterior. Essa tendência se deve em grande parte ao término das ajudas governamentais relacionadas à pandemia de Covid-19 e à situação econômica atual.

Os movimentos sociais, em particular as greves contra a reforma das aposentadorias, também resultaram em perdas de receita, especialmente no setor de hotelaria e restauração, que havia recebido ajuda massiva durante a crise sanitária. No geral, o Banco Central registrou 47.231 falências nos últimos doze meses, representando um aumento de 45,8% em relação a maio de 2022, embora ainda abaixo das 51.145 falências registradas em 2019.

As empresas mais afetadas por essas falências são as microempresas, respondendo por 9 de cada 10 casos de falência. No entanto, as pequenas e médias empresas (PMEs) e as empresas de médio porte (ETIs) não estão imunes, com um número de falências atingindo o nível mais alto em mais de uma década, ameaçando cerca de 55.000 empregos. O setor de vestuário registrou um aumento de 70% nas falências, enquanto o setor de construção também foi afetado por taxas de juros elevadas, aumento nos preços dos materiais e redução de licenças de construção.

Ao mesmo tempo, o número de novas empresas criadas teve uma leve queda. No primeiro semestre de 2023, cerca de 527.600 empresas foram criadas, em comparação com 537.770 no ano anterior no mesmo período, de acordo com os dados mais recentes divulgados pelo INSEE. No entanto, ao longo de um ano, o número total de empresas criadas aumentou em 1,8%, principalmente devido à criação de microempresas. De acordo com Guillaume Pepy, presidente da rede Initiative France, a queda na criação de empresas tradicionais se deve a “razões conjunturais”.

 

 

 

 

Sair da versão mobile