Revista Poder

Economistas mantêm previsões para IPCA, PIB e Selic

Banco Central do Brasil || Crédito: Raphael Ribeiro/BCB

No mais recente Boletim Focus divulgado pelo Banco Central nesta segunda-feira, economistas do mercado financeiro reafirmaram suas estimativas para a inflação, o crescimento econômico e a taxa de juros no Brasil para o ano de 2023.

Inflação (IPCA): 4,86%

O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) é um dos indicadores mais observados pelos brasileiros, afetando diretamente o poder de compra da população. Segundo o Boletim Focus, a previsão para o IPCA em 2023 permaneceu inalterada em 4,86%. Essa estimativa se mantém acima do teto da meta estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), que é de 3,25%, com uma tolerância para chegar a 4,75%. Portanto, o desafio para o Banco Central será controlar a inflação dentro desse limite, implementando medidas monetárias apropriadas.

Crescimento Econômico (PIB): 2,92%

A economia brasileira enfrentou desafios nos últimos anos, mas de acordo com os especialistas consultados pelo Boletim Focus, a projeção para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2023 permaneceu estável em 2,92%. No entanto, essa previsão difere da projeção do ministro da Fazenda, Fernando Haddad, que havia projetado um crescimento de 3% para o ano. O desempenho da economia continuará sendo um tópico central para a política econômica do governo, com a necessidade de estimular o crescimento e criar empregos.

Taxa de Juros (Selic): 11,75%

A taxa básica de juros, a Selic, é uma ferramenta importante para o Banco Central no controle da inflação e na estabilidade econômica. Segundo o Boletim Focus, a expectativa para a Selic em 2023 permaneceu em 11,75%. Isso indica que a autoridade monetária pode optar por manter a política de juros elevados para conter a inflação, mesmo que isso possa impactar o custo do crédito e o investimento empresarial.

Sair da versão mobile