Revista Poder

Morre o ex-senador e ex-ministro Francisco Dornelles, aos 88 anos

Francisco Dornelles || Créditos: Zeca Ribeiro / Câmara dos Deputados

O ex-senador, ex-deputado federal e ex-governador fluminense Francisco Dornelles morreu nesta quarta (23), aos 88 anos. O homem era talhado para a política desde o berço: seu pai era primo-irmão de Getúlio Vargas; a mãe, irmã de Tancredo Neves.

Mas Dornelles teve longa carreira acadêmica nos anos 1960 e 1970 antes de entrar para a política. Foi secretário da Receita Federal de João Figueiredo, o último presidente do ciclo militar e, com a vitória de Tancredo nas eleições indiretas de 1985, foi indicado ministro da Fazenda. Tancredo, como se sabe, morreu antes de tomar posse, e Dornelles seguiu brevemente no governo José Sarney. A inflação galopante, herança maldita do governo anterior, e as pressões próprias do Esplanada, fê-lo pedir demissão com cinco meses de cargo.

Em 1986, Dornelles elegeu-se deputado constituinte pelo PFL (que geraria o DEM, hoje miscigenado no UB); ele voltaria à Brasília nos anos 1990, como ministro da Indústria e Comércio de FHC, selando apoio do PPB à base governista. No segundo mandato de FHC, migraria para a pasta do Trabalho. O político ainda se elegeria senador pelo Rio de Janeiro em 2006 e vice-governador do Rio na chapa de Luiz Fernando Pezão. Com o impedimento do companheiro, Dornelles chegou brevemente a comandar o estado.

O governador do Rio, Cláudio Castro, decretou luto oficial de três dias e chamou Dornelles de um dos “mais responsáveis, expressivos e dignos representantes do povo brasileiro.”

O presidente da Câmara, Arthur Lira, tributou Dornelles por meio de sua conta do ex-Twitter:

 “Hoje o PP perdeu o seu presidente de honra, o ex-deputado federal, ex-senador, ex-ministro e ex-governador do Rio de Janeiro, Francisco Dornelles. Ex-presidente do partido, ao longo de sua trajetória política Dornelles é referência política nacional e um exemplo de homem que fazia a Política maior.”

Sair da versão mobile