Revista Poder

Rui Costa chama Brasília de “ilha da fantasia” e é criticado até à esquerda

Rui Costa e Ibaneis Rocha || Crédito: Marcelo Camargo/Agência Brasil/Paulo H. Carvalho/Agência Brasília

Como se já não estivesse bem aquinhoado de inimigos, o governo Lula 3 também tem um belo arsenal de fogo amigo na Esplanada e, ainda mais perto, no próprio palácio do Planalto.

Talvez só Paulo Guedes fosse capaz de marcar tantos autogolos, como se diz em Portugal.

Nesta sexta (2), o ministro-chefe da Casa Civil, o ex-governador baiano Rui Costa, talvez por se sentir à vontade por estar de volta a uma cidade seu próprio estado, lançou mísseis contra Brasília, fato que em nada deve ter ajudado na governabilidade de Lula 3, tão avariada em razão das dificuldades já proverbiais com a Câmara Federal.

Costa disse na entrega de um hospital em Itaberaba que “era melhor [a capital federal] ter ficado no Rio de Janeiro, ou ter ido para São Paulo, para Minas ou Bahia”.

O argumento, ele logo explicitou, era que seria melhor para o servidor público que “fosse entrar num prédio daquele, ou na Câmara dos Deputados ou Senado, passasse, antes de chegar no seu local de trabalho, numa favela, embaixo de viaduto, com gente pedindo comida, vendo gente desempregada”.

Costa ainda chamou Brasília, em que vive há meio ano, de “ilha da fantasia” e estar ali, aparentemente, turva a visão dos problemas brasileiros de quem trabalha lá.

A fala foi lastimada por uma grei suprapartidária. O campo conservador, que beira o reacionário, ou vice-versa, aproveitou a bola levantada. “É um idiota completo”, disse o governador de Brasília, Ibaneis Rocha (MDB-DF);  o deputado distrital Chico Vigilante (PT), militante histórico petista, disse que a fala de Costa “mostra completo desconhecimento da capital federal”.

Depois de se encontrar com Lula, o presidente da Câmara, Arthur Lira, aproveitou outros novos 15 minutos de fama, para, em entrevista à CNN Brasil nesta segunda (5), dizer que “há que se ter comedimento”. E comentando a “declaração sobre Brasília que causou muito rebuliço” disse que “essas coisas não ajudam.”

Lira não citou Costa, e este não se pronunciou nesta segunda-feira sobre o tema.

 

Sair da versão mobile