Revista Poder

Realpolitik fala alto com nomeação de Leonardo Picciani para secretaria do Saneamento

Leonardo Picciani || Crédito: Roberto Castro/ME

Se alguém ficou incomodado com a decisão do presidente Lula de, na segunda (6), manter seu ministro das Comunicações, Juscelino Filho (UB-MA), no governo, malgrado as diárias extraordinárias pedidas mesmo fora de serviço, as indicações problemáticas de assessores feito pelo ministro e o asfaltamento que o beneficiava no Maranhão, esta quarta (8) pode parecer uma verdadeira quarta-feira de cinzas.

A realpolitik, digamos, veio com tudo com a nomeação do ex-ministro de Michel Temer Leonardo Picciani (MDB-RJ) para a secretaria do Saneamento Ambiental do ministério das Cidades. Leonardo é filho de Jorge Picciani, deputado estadual que presidiu a Assembleia Legislativa do Rio e morreu em 2021. Em 2019, Jorge foi condenado a 27 anos de prisão por corrupção passiva, organização criminosa e lavagem de dinheiro.

Leonardo, que era deputado federal em 2016, quando foi alçado ao governo Temer, votou contra o impeachment de Dilma Rousseff, e isso certamente contou pontos dentro do PT. Atual presidente do diretório estadual do MDB fluminense, sua indicação para um posto técnico em área tão sensível e problemática não parece revelar-se um problema para o PT. Trata-se de cerrar fileiras para deixar o MDB bem alimentado na base de apoio de Lula 3.

Contas de Twitter claramente simpáticas ao governo não se furtaram a mostrar sua decepção com a novidade.

Sair da versão mobile