Revista Poder

Em foto amedrontadora, Rodrigo Pacheco ergue-se extemporaneamente pelo Estado de Direito

Rodrigo Pacheco || Crédito: Jefferson Rudy/Agência Senado/Reprodução

Assim como é melhor não descrer da beligerância dos torcedores dos times de torcida minúscula, é bom colocar as barbas de molho quando a pessoa mais cordial do mundo fica enfezada.

É o que parece estar a acontecer com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco. O senador que deixou a mineirice de seu estado de criação introjetar-se até em seu gestual mais íntimo, como se  antes de aprender a palavra “mamãe” tivesse aprendido a dar tapinhas nas costas, aparece em sua última postagem no Twitter com cara de mau.

E um sujeito como Pacheco, o brasileiro cordial, o homem que definitivamente não tem cara de mau, quando aparece com cara de mau, sai de baixo.

Escreveu Rodrigo, antes de postar a foto mais amedrontadora que 2022 terá conhecido:

“Qualquer mínimo arroubo ou bravata contra a democracia e o Estado Democrático de Direito levará a uma pronta reação do Senado Federal. A democracia já está consolidada pela sociedade e as instituições têm compromisso com o Estado de Direito. Nenhum outro caminho é admissível.”

Legal, só falta agora combinar com as bancadas do Podemos, do PSDB, do PL e, com honrosa exceção – no singular, mesmo – de seu próprio PSD.

E também de dizer exatamente isso que disse quando a ocasião de fato o exigir.

Sair da versão mobile