Revista Poder

Pacote de hotel de R$ 5 mi e reforma de estádio de R$ 600 mi: as cifras por trás do Miami Grand Prix

F1 em MIami

Depois de anos batalhando para ter seu próprio Grand Prix, Miami pretende fazer da primeira edição do evento esportivo de Fórmula 1 em suas terras, a melhor de todas até hoje – inclusive fora das pistas.

Inicialmente previsto para 2019, o Miami Grand Prix precisou ser adiado para 2021 por conta de atrasos nas adaptações para corridas que precisaram ser feitas ao custo de quase US$ 120 milhões no Hard Rock Stadium, seu palco nos Estados Unidos. O evento foi remarcado para 2022, agora para valer e mais precisamente em 8 de maio, um domingo.

A véspera e a sexta-feira anterior prometem também marcar um momento de agito luxuoso que há tempos não se via por lá. Quer um exemplo? Hotel mais famoso e exclusivo da ensolarada cidade da Flórida, o Fontainebleau Miami Beach chegou a vender um pacote para turistas e fãs de F1 que inclui, além de estadia de três dias, o transporte em jatinhos fretados, tudo pela bagatela de US$ 1 milhão para o total de 14 pessoas.

Já esgotado, o pacotão milionário também vem com ingressos para o “Miami Race Nights”, evento musical que servirá para marcar a reabertura do icônico espaço de shows BleauLive do Fontainebleau, e que nesse fim semana terá shows de música eletrônica estrelados por Calvin Harris e David Guetta, dois dos maiores DJs do mundo.

À parte as performances da dupla de astros da e-music no BleauLive, o Fontainebleau também aproveitará a temporada em clima de velocidade máxima para reabrir um de seus open bars, no qual somente a entrada custa US$ 300. Ferveção total!

Sair da versão mobile