Revista Poder

João Campos

João Campos || Crédito: Najara Araújo/Câmara dos Deputados

Sua acirradíssima eleição, em 2020, não foi isenta de ataques abaixo da linha da cintura de sua adversária, a prima deputada federal Marília Arraes (PT). Mas o muito jovem prefeito do Recife, João Campos, de 28 anos, parece querer deixar uma marca não só na capital pernambucana como no clã político de que é egresso – onde refulgem o bisavô Miguel Arraes e o pai Eduardo Campos, ambos ex-governadores de Pernambuco.

João Campos esteve com outros nomes importantes do PSB no jantar de domingo (19) que celebrou o encontro de Lula com Geraldo Alckmin e, em muito recente entrevista ao jornal O Globo, tocou em assunto fundamental para a pauta da esquerda em 2022: o predomínio – ou não – das questões identitárias.

“Os problemas e as soluções do Brasil não estão nessas pautas puramente identitárias ou ideológicas. O que a gente precisa é tirar o debate desse campo. Quando Bolsonaro quiser levar para esse lado, não temos que gastar energia. Deixa ele falar. Bolsonaro é bom de polêmica e confusão, mas não de política pública. Temos que falar de segurança pública e mobilidade urbana, por exemplo. Na educação, o problema não está nesse debate ideológico que gera likes. Temos 63% das crianças fora de creches, um volume grande de jovens abandonando a escola na pandemia. Nem a esquerda nem a direita podem desvirtuar esse debate.”

Por fim, quem segue o prefeito por meio de sua conta no Twitter talvez fique em dúvida se o sujeito que aparece nas postagens é João Campos ou santo Antônio, tamanha a capacidade do pernambucano de estar em tantos lugares (quase) ao mesmo tempo. Nestes últimos três dias, foram cerca de 20 postagens. Campo das Princesas, 2022, lá vou eu.

Sair da versão mobile