Revista Poder

Mario Frias

Mario Frias || Créditos: Roberto Castro/ Mtur

Que o macartismo havia voltado numa versão mais trágica do que farsesca no governo Bolsonaro, já se sabia. Muitos foram os exemplos de perseguições, expurgos e demissões em áreas como Meio Ambiente, Educação, Saúde, Cultura, Segurança. O que parece ser novidade é o uso de canais oficiais para expor o neomacartismo de corte bolsonarista.

O secretário da Cultura, Mario Frias, o fez nesta quinta (11). Em sua conta no Twitter, pede que sejam oferecidas denúncias a quem descumprir seu recente édito (tecnicamente: portaria), que descredencia o autor de projeto cultural beneficiado na Lei Rouanet, caso haja exigência de passaporte sanitário (certificado de vacinação contra a Covid-19) na execução ou comparecimento a esse projeto cultural.

Canais de telefone e e-mail foram especialmente criados para a denúncia em sua secretaria, que é subordinada ao ministério do Turismo.

O uso da palavra “liberdade”, claro, apareceu no tuíte, feito pelo secretário, ao divulgar o trabalho: “Precisamos da participação de cada um de vocês. A liberdade é uma conquista de todos! Não podemos aceitar a segregação com recurso público federal.”

Sair da versão mobile