Revista Poder

Doria e Leite chegam a primeiro debate do PSDB com hype e climão inéditos

Doria, Eduardo Leite e Arthur Virgílio || Crédito: Gov-SP/Rodger Timm/Palácio Piratini/Pedro França/Agência Senado

Alçada a uma popularidade inédita, a prévia nacional do PSDB que vai definir o candidato a presidente pelo partido nas eleições de 2022 tem nesta terça (19) seu momento de maior visibilidade até aqui de todo o processo.

Nesta manhã, os jornais O Globo e Valor Econômico e outros órgãos do Grupo Globo de comunicação irão transmitir ao vivo o primeiro dos três debates entre os três candidatos inscritos, com direito a colunista de O Globo na mediação.

Os governadores João Doria, de São Paulo, Eduardo Leite, do Rio Grande do Sul, e o ex-prefeito de Manaus Arthur Virgílio seguem no pleito após o senador Tasso Jereissati se retirar da disputa, num movimento que não surpreendeu vivalma.

Virgílio é considerado desde sempre carta fora do baralho por sua inexpressividade diante da força de seus oponentes, que chegam à disputa trocando farpas, como se de partidos diferentes fossem.

Doria criticou o aplicativo criado para o eleitorado do PSDB votar, considerou que seria interessante o uso de cédulas de papel e ameaçou se retirar do debate, em gestos que repetiram ipsis literis sua nêmesis no plano nacional, Jair Bolsonaro.

Foi a senha para Leite mencionar novamente o “Bolsodoria”, quando o então candidato a governador de São Paulo colou sua imagem à de Bolsonaro, a fim de angariar votos e vencer a apertada disputa pelo Bandeirantes contra Marcio França (PSB).

O mais curioso é que o “hype” da prévia tucana pode dar em nada: embora muito pouco provável, existe o cenário de o PSDB vir a apoiar um candidato mais competitivo da tal “terceira via” em 2022, abdicando de seu próprio nome.

 

Sair da versão mobile