Revista Poder

Aspones da Economia espinafram críticos chamando-os de “pobre premium”

Crédito: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Irritados com os queixumes de profissionais de renda alta (para a realidade brasileira) sobre as mudanças do imposto de renda e principalmente sobre os balões de ensaio da taxação de patrimônio, alguns personagens de Brasília que se consideram “liberais” e  militam no ministério da Economiazinha surgiram com um novo termo para definir a quem chamam de “assalariados que se acham milionários”.

Nesta terça (20), criaram a figura do “pobre premium”, ou, na definição desses aspones, “aquele cara que tem um emprego estável, ganha R$ 10 mil, anda com um carro do ano financiado e posta foto em academia cara”.

Segundo os autoproclamados liberais, os pobres premium não têm legitimidade para tentar barrar o aumento da taxação sobre grandes fortunas e nem deveriam tentar fazê-lo, já que serão eles os possivelmente beneficiados com a tributação dos mais ricos.

A ideia dos “liberais”, endossada pelo ministro da Economiazinha, Paulinho Guedes, é taxar quem tem mais de R$ 8 milhões na conta. As alíquotas mudam para R$ 20 mi e R$ 40 mi.

 

Sair da versão mobile