Revista Poder

Kim Kataguiri

Kim Kataguiri || Crédito: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

Na quarta-feira (30), o deputado federal Kim Kataguiri (DEM-SP) foi uma das estrelas da aglomeração brasiliense que juntou parlamentares de partidos muito diferentes ideologicamente para a cerimônia de entrega, na Câmara Federal, do superpedido de impeachment, que colige mais de 120 solicirtações de impedimento de Bolsonaro.

Responsável por apreciá-los, e, assim, dar curso a um possível processo de impeachment, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), já deu declarações bastante enfáticas de que o evento protagonizado por Kim e colegas não o havia sensibilizado.

Assim, restam as “ruas”. Mas a manifestação marcada para este sábado (3) não contará com Kim e o MBL, o Movimento Brasil Livre, que foi um dos grandes insufladores das manifestações populares pela queda de Dilma Rousseff.

A declaração de que não sairá às ruas, por medo da Covid-19, foi dada nesta sexta (2), ao portal UOL. Antes disso, ele havia batido boca com o colega Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) no front em que está mais acostumado, as redes sociais.

Chamado de “camisinha de comunista” por Dudu, replicou:

“Fala isso, mas quando é pra votar contra a PEC da Impunidade, tava lá de mão dadas com o PT. Eu, pelo menos, só to tentando tirar o seu papai genocida da presidência. Você, por outro lado, está sempre defendendo os interesses dos corruptos.”

Que semana, senhores.

Sair da versão mobile